19 de dezembro de 2014

A Sobrinha – Cap. 6

Warrior's Entrem galera, aprovado, adoro esse blog.



Eu tinha acabado de chegar no escritório e me reencostei em minha cadeira, minha mente não parava de pensar no que tinha acontecido ontem. O jantar havia sido completamente desconcertante, os dois não sabiam o que falar, ainda mais com Kyle dormindo, seria melhor se ele estivesse acordado.

_E aí cara._ Davis entrou na sala.

_Oi._falei mal humorado.

_É eu sei, também fiquei sabendo que as pessoas estão achando que somos namorados secretos e que... Nada.

_Ah, que meu amiguinho é minúsculo._ ele segurou riso.

_É.

_Por que está tão tranquilo?_ Perguntei nervoso.

_Ta na cara que foi uma mulher que inventou isso pra te atingir. Já passei por isso. Sabe o que você faz? Nem da bola que passa, você é gostoso e as mulheres não vão resistir por muito tempo, foi assim comigo.

_Eu espero._ Abri meu Notebook e fiquei o olhando sem saber por onde começar._ Hoje será a entrevista de emprego da Demi.

_Ela vai ser contratada tenho certeza._ Davis falou calmamente. Mas continuei olhando o notebook sem saber o que fazer._ Não é pelas mentiras que inventaram de você que está assim. O que houve cara?

_Não é nada._ Fechei o notebook e abri a gaveta pegando umas papeladas.

_Olha aí, não sabe nem o que fazer._ Riu._ Fala.

_Tive uma conversa bem estranha com Demi ontem e isso não sai da minha cabeça.

_E o que foi?_ Ele pareceu interessado.

_Ela me pediu algo bem estranho.

_O que cara, fala logo.

_Ela me pediu pra não dormir com ninguém nessa viagem._ Davis levou a mão á boca e arregalou os olhos._ O que foi?_ Ele se levantou e andou pela sala.

_Eu sabia, bem que eu desconfiava.

_Do que?

_Vocês dois._ Franzi o cenho sem entender nada._ Ta na cara que vocês dois tem alguma coisa._ Quando entendi o que ele queria dizer arregalei os olhos e me levantei quase derrubando a cadeira.

_Você pirou? Ta louco?

_Cara, o seu ciúme, não quer que nenhum homem chegue perto dela, nem mesmo eu. Ela pedindo pra você não dormir com mais ninguém...

_Cara ela é minha sobrinha...

_E daí... Tantos primos ficam juntos...

_Primos são diferentes de sobrinha e tio._ Falava andando de um lado pro outro abismado com a conversa.

_Primeiro, você e Selena não são totalmente irmãos, ela é filha do primeiro casamento de seu pai, não é? E segundo, Demi não é sua mãe ou sua irmã cara, é apenas uma sobrinha...

_E o que tem haver Selena ser filha do primeiro casamento? Ainda continuamos sendo irmãos.

_Meio irmão.

_Irmãos._ Falei irritado.

_Pelo menos você e Demi não tem o mesmo sangue totalmente igual...

_Brother, não to ligando pra nada de sangue. Demi é minha sobrinha e ponto. Nunca pensei nela de outra forma, está me apavorando essa conversa...

_Eu duvido. _ Falou convicto._ Duvido que nunca pensou nela de outra forma, cara vejo o jeito que fala dela, o jeito que trata ela, você aceitou uma criança na sua casa.

_Isso é diferente...

_Não é nada diferente. Tenho certeza que já desejou ela, mesmo sem saber, sendo totalmente inocente já pensou nela de um jeito nada inocente._ Parei pra pensar. Olhando bem ao fundo talvez... O telefone tocou e eu saí do transe. Apertei o botão e escutei a voz de Bloom.

_Patrão, tem uma garota aí fora falando que precisa falar com o senhor. O nome dela é Demi, posso deixá-la entrar?_ Ela falava olhando pra mim diante do vidro. Davis e eu trocamos olhares.

_Claro._ E então me sentei. Olhei pra Davis que parecia querer persiste no assunto._ Esse assunto acabou aqui ouviu?_ ele apenas balançou a cabeça inconformado.

Rapidamente vi Demi chegando pelo elevador, ela olhou tudo até olhar pra minha sala, sorriu pra mim e veio andando rápido. Ela estava arrumada e parecia um pouco nervosa. Ela carregava no braço tipo uma cesta, o lugar onde o bebê fica deitado. Davis abriu a porta de vidro pra ela entrar.

_Oi Davis._ Sorriu.

_Olá Demi. Bom, já estou de saída...

_Não precisa, é coisa rápida._ Ele sorriu olhando pra mim.

_Ok então._ Olhei pra ele com um olhar mortal, tinha certeza que ele iria começar com aqueles psicoanálise e depois jogar tudo em cima de mim.

_Oi tio Joe.

_Oi Demi._ Com Davis ali não tive nem coragem de me levantar e dar-lhe um beijo.

_Tio Joe tenho uma coisa muito chata pra te pedir._ Senti meu coração acelerar. Por favor, não volte ao assunto de ontem. Respirei fundo.

_O que foi?_ Ela colocou a cesta em cima da mesa. Kyle estava dormindo.

_A babá de Kyle não pode trabalhar hoje, só amanhã que ela irá começar, e eu tenho uma entrevista de emprego agorinha e não tenho com quem deixá-lo..._ Arregalei os olhos._ Sei que é chato, mas não sei, talvez deixe com sua secretaria enquanto trabalha, você é quase chefe e... Ai meu Deus, eu estou perdida, não sei o que fazer...

_Calma Demi._ falei. Me levantando e indo até ela, coloquei minhas mãos em seus ombros, ela parecia apavorada._ Vamos dar um jeito.

_Eu preciso desse emprego.

_Eu sei, eu sei._ ela me abraçou._ Pode deixar aqui comigo, não tenho muita coisa pra fazer antes da viagem e sim durante.

_Ah, meu Deus. Obrigada Joe._ Respirou fundo aliviada._ Não sabe a vergonha que estou tendo agora._ Comentou baixo. Coloquei meu queixo em sua cabeça e olhei pra Davis que segurava riso.

_Ta tudo bem, só pense que vai dar tudo certo e você vai conseguir o emprego ok._ Falei a tirando do abraço e segurando seus braços fazendo-a olhar pra mim.

_Vou fazer o possível.

_Eles vão gostar de você, você vai ver._ Davis enfim se manifestou fazendo nós dois olhá-lo.

_ Ok então vou lá, acho que não sou a única a ser entrevistada._ Falou colocando a bolsa de Kyle em cima da mesa._ trouxe tudo que Kyle precisa, tem roupa, frauda, a mantinha, bico, brinquedinho e também trouxe a mamadeira pronta._ Tirou a mamadeira de uma bolsa térmica.

_Ok.

_Tchau garotos, me desejem sorte._ Falou cruzando os dedos.

_Boa sorte._ falamos juntos vendo-a sair. Olhei pra Davis que ainda segurava riso.

_Qual é? Ela precisava dessa ajuda ok.

_Ta, ta... Não vou mais pegar no seu pé mais sobre vocês não. Só estou rindo por que você não sabe em pegar uma criança direito, quero ver cuidar.

_Eu aprendi a pegar ok._ Falei indo até a cesta e comprovando o sono maravilhoso que o garotinho estava tendo.

_Sei._ Olhei pra ele.

_É. Não vou conseguir cuidar sozinho.

_Não se preocupe. Como sou um grande amigo vou te ajudar._ Falou chegando perto e olhando pra Kyle também. Revirei os olhos.

_Fudeu. Nós vamos acabar com essa criança._ Davis me olhou e fez careta. O telefone tocou e eu apertei o botão.

_O seu patrão está na linha._ Escutei Lina falar.

_Ok. Obrigado._ E apertei outro botão._ Joseph e Davis na Linha.

_Vão pra sala de reunião._ Olhei pra Davis apavorado.

_Érr... Claro._ respondi e desliguei._ E agora cara.

_Não sei, mas pensa rápido._ Olhei pra Lina e olhei pra Davis. Pode ser, vai ser rápido._ Peguei a cesta e a bolsa de Kyle e saí da sala correndo e joguei em cima da mesa de Lina Bloom.

_ Senhorita Bloom, poderia me fazer o favor de ficar com ele só por uns minutos?_ Ela ficou paralisada.

_O senhor tem um filho?

_O que? Não, não, ele é... Uma longa história e preciso ir pra sala de reunião.

_Ok, tudo bem._ Falou um pouco assustada. Ajeitei a gravata e o cabelo e fui em direção da sala com Davis. Entramos na sala e lá estava um notebook que transmitia a nossa imagem para outro lugar e a televisão estava a imagem do chefão.

_Que bom que chegaram, temos muito o que fazer. Bom, como Joseph irá viajar não lhe encherei de coisas pois tem muito o que resolver nessa viagem, já Davis, preciso que ligue para todos os..._ E assim passamos uns quarenta e cinco minutos discutindo tarefas. E no meio desse tempo escutei Kyle chorar. Quando saímos da sala respirei fundo rezando para que o chefão não tenha escutado o choro de Kyle. Quando olhei pra frente vi Lina andando de um lado pro outro com Kyle no colo balançando-o enquanto ele chorava e o telefone tocava. Olhei pra Davis desesperado.

_Ah meu querido amigo, não posso te ajudar, tenho muita coisa pra fazer, sabe quantos telefonemas vou ter que dar hoje?

_Ta, ta._ Falei correndo e indo até Lina.

_Muito abrigado senhorita Bloom. Pode voltar ao seu trabalho, deixa ele comigo a partir de agora._ Falei pegando-o no colo e colocando ele na cesta e colocando sua bolsa pesada no ombro enquanto Lina corria para atender o telefone._ Se for pra mim diga que estou muito ocupado agora._ E fui até o elevador e desci até o ultimo andar. Quando cheguei à pequena lanchonete do prédio me sentei em uma mesa e coloquei a cesta de Kyle em uma cadeira ao meu lado, ele havia se entretido com um brinquedo de morder. Clear chegou perto com uma prancheta na mão.

_Quero só um café hoje.

_O que faz com um bebê?_ perguntou assustada.

_É uma longa história._ falei sem paciência.

_Acho que ele está com fome._ falou.

_Talvez seja._ falei pegando sua mamadeira. Clear sorriu e saiu pra pegar meu café. Coloquei a mamadeira na boca de Kyle e ele aceitou de muito bom grado, talvez estivesse com fome mesmo.

_Aqui está._ Falou entregando meu café.

_Já?

_Já estava pronto, se quiser mais é só me chamar._ E saiu. Tomei o café com um braço enquanto com o outro segurava a mamadeira. Kyle ficava olhando pra mim com aqueles lindos olhos.

_Que foi garotão? Não está me reconhecendo? Ah você me conhece sim, moramos juntos lembra? _ Tomei outro gole de café._ Hum, o café está bom, se você fosse um pouquinho mais velho eu te daria. Não, não daria não, você já é muito acordado pro meu gosto, você precisa é de um calmante. Ou talvez só esteja com fome todos os dias. Sei que estou parecendo um louco que conversa com um bebê que não está entendendo nada o que falo, mas eu queria ter uma conversa com você antes de outro homem._ Respirei e virei a xícara de café. Depois pedi mais uma e mais uma. Só percebi que Kyle já havia terminado o leite todo quando ele fez um pouco de birra. Coloquei a mamadeira na bolsa e me encostei na cadeira colocando meus braços atrás da cabeça. Depois de um tempo escutei Kyle soluçar, e depois de novo e de novo.

_Devia pegá-lo no colo._ Clear falou.

_O que?

_Sou mãe de três filhos, sei o que estou falando, devia fazê-lo arrotar depois de tanto leite.

_Você é mãe de três filhos?_ Fiquei espantado._ Você parece tão jovem para ser mãe de três filhos.

_Pois é a vida quis assim._ e então saiu pra atender outra mesa. Olhei pra Kyle que já estava começando a chorar. Soltei toda minha respiração e o peguei no colo, demorou menos dessa vez, o deitei em meu ombro e ele continuava soluçando, as pessoas passavam e ficavam me olhando, tentava esconder meu rosto em Kyle, mas todos já sabiam que era eu. Fiquei preocupado com o que as pessoas iriam pensar até senti Kyle vomitar em mim.

_Ah, fala serio! No meu terno?_ Segurei ele em frente ao meu rosto, ele levou suas mãozinhas até minha mão e tentou brincar com meus dedos. Não teve como ficar grilado com ele. Me deu vontade de abraçar a apertar até a morte, mas o problema é que isso poderia acontecer mesmo se eu o apertasse._ Ok garotão, você já ta crescendo, e é grande o suficiente pra parar de vomitar nos outros assim ok._ Ele nem prestou atenção em mim, ou brincava com minha mão ou olhava o movimento.

Quando estava voltando pra minha sala encontrei Demi no elevador.

_Joe. Muito obrigada, não sei por que mas estou esperançosa, acho que consegui o emprego, vão me ligar amanhã.

_Oh. Estou feliz por você.

_E você?_ Falou pegando Kyle de mim._ Se comportou bem?_ Brincou com o filho. Sorri._ Tchau, mais tarde a gente se encontra._ falou me dando um beijo no rosto. Eu nem consegui dar tchau direito, estava exausto.

 

Quando cheguei em casa, só queria saber de descansar, nem jantei, apenas capotei na cama, tinha sido um dia e tanto.

Tive que acordar cedo no dia seguinte. Peguei minhas malas e vi Demi em pé com Kyle nos braços, ela me levou até o aeroporto e lá encontramos Davis com uma cara de sono.

_Bom gente, nos despedimos aqui. É apenas uma semana no máximo é pouco tempo._ falei. Estava tudo muito dramático.

_Eu sei. _Demi falou com a cabeça baixa.

_Demi se lembra do que eu te falei, lá é minha casa e eu voltarei você querendo ou não.

_Eu sei._ falou de novo mas agora olhando pra mim e com um sorriso lindo nos lábios.

_Ei Davis, cuida deles nesse tempo em que eu estiver fora ok.

_Pode deixar comigo irmão._ Sorri e olhei pra Kyle.

_Ei garotão vê se não dá trabalho viu._ Ele nem me olhou, mas levantou os bracinhos pra mim. Apenas sorri e lhe dei um beijo.
 
Continua...

Obrigada galera pelos comentários, estou muito feliz.

Anônimo   Postei ;)
Mirely Bonfim por que a Demi ta atiradinha?? kkkkkkkkk Bom, não posso falar quem inventou a história d que ele ´gay, continua lendo ok
Love Sick II OMG! Postei kkkkkk
Cassia Cortiço kkkkkkkkkk você me mata com as suas ideias, são muito engraçadas, sim o Joe morri de ciúmes de seu amigo com Demi e talvez a fofoca tenha saído de uma secretaria ou de um invejoso kkkkkkkk
Stephane Gabrielle O Joe tem que tomar atitude logo neh. kkkkk
Anônimo Já divulguei seu blog que eu amo tanto e obrigada pelos elogios, que bom que gosta do blog, continue lendo...
 
BEKA!!!

4 comentários:

  1. Oiii. Acho que é a primeira vez que eu comento aqui. Já sigo o seu blog tem um tempinho mas só tomei vergonha na cara de comentar agora kkkkk a fic esta perfeita e eu estou amando. Nunca vj historia nesse enredo assim, do Joe ser tio da Demi e ainda ela ter um filho. O Kyle é uma coisinha muito fofa!! Fiquei morrendo de pena do Joe pq toda vez que ele coloca o bebê para golfar ele é vomitado kkkkkk ele vai ter que aprender esse negoço aí. E quero logo que eles se peguem ahabxjaban to muito ansiosa. Vou tentar comentar em todos os capitulos ♡

    ResponderExcluir
  2. Ansiosa pela continuação..... será que o Joe vai conseguir ficar longe? Ou vai voltar antes da hora? E quanto ao trabalho dela? Terá muitos pretendentes dando em cima dela para faze-lo agir mais rápido? Ou enquanto ele estiver no bar , algumas mulheres flertando com ele e fazendo ela derramar bebida nelas e outras coisinhas mais para se vingar kkkkkk pareço louca né, mas essa história é muito boa.... já pensou em fazer maratona? Continua logoooo.....

    ResponderExcluir
  3. Joe e Kyle me faz lembrar as fotos dele com Alena filha de Kevin. Posta!

    ResponderExcluir